A Blogueira

                                               
                                                 

18:37

Treinamento Contax


Vista da Facottur

Céu

18:21

Homens



NENHUM HOMEM PRESTA?

Não julgue todos eles por você ter ser jogado nos braços do primeiro cara que te chamou de LINDA na balada.
Eles não são todos iguais, você que não é diferente!

15:32

Perguntas Sem Respostas


(...) E ninguém vai me completar como vcê me completou! (...) Os beijos qê se encaixavam, as risadas sem fim, os desejos mútuos, os cheiros, as mordidas, a cumplicidade... Prqê não deu certo!? O qê fiz de errado!? Nós não fomos feitos um para o outro, neah!? Tem qê se conformar com isso e seguir em frente, neah!? E o qê eu faço com a parte qê me falta de vcê!? O qê eu faço com o sentimento por um garoto qê eu conheci a anos!? Quem éh vcê & o qê vcê fez com o cara qê conquistou o meu coração!? Prqê mudamos tanto!? Prqê erramos tanto!? Perguntas sem respostas, coiisas qê eu jamais saberei o prqê!!

Para TH

21:24

Preciso


É... Isso tem acabado comigo, saber que você não precisa de mim, como eu preciso de você! ;/

20:13

Idas e Vindas do Amor

• Título Original: Valentine's Day
• Lançamento: 16 de fevereiro de 2010
• Dirigido por: Garry Marshall
• Atores: Julia Roberts, Jessica Alba, Anne Hathaway, Jessica Biel...
• Gênero: Comédia, Romance
• Nacionalidade: EUA

Los Angeles, Dia dos Namorados. Reed Bennett (Ashton Kutcher) trabalha em uma floricultura e tem muito trabalho pela frente, já que este é um dos dias mais agitados na loja. Entretanto, antes de sair, ele pede sua namorada Morley Clarkson (Jessica Alba) em casamento. Ela aceita, o que deixa Reed eufórico. Ele logo deseja contar a novidade para Julia Fitzpatrick (Jennifer Garner), sua melhor amiga, que está apaixonada pelo médico Harrison Copeland (Patrick Dempsey). Julia trabalha como professora de uma escola, onde estuda Edison (Bryce Robinson). Ele também foi atingido pelo cupido e compra, na loja de Reed, um buquê de flores e um cartão musical a ser entregue para sua namorada. Edison mora com os avós, Estelle (Shirley MacLaine) e Edgar (Hector Elizondo), e tem Grace (Emma Roberts) como babá. Grace tem planos para perder a virgindade neste dia com seu namorado Alex (Carter Jenkins). O casal Willy (Taylor Lautner) e Felicia (Taylor Swift), amigos de Grace e Alex, estão apaixonados e demonstram isto para todos à sua volta. Liz (Anne Hathaway) é uma jovem secretária que está envolvida com Jason (Topher Grace), que apesar de gostar dela ainda tem receios sobre o que sente devido ao pouco tempo de namoro. Ambos trabalham para Paula Thomas (Queen Latifah), poderosa empresária que cuida da carreira de Sean Jackson (Eric Dane), um quaterback veterano. Kara Monahan (Jessica Biel) é a assessora de imprensa de Sean e detesta o Dia dos Namorados, já que sempre está sozinha nesta data. Em um avião estão Holden Bristow (Bradley Cooper) e Kate Hazeltine (Julia Roberts), que se conheceram em pleno voo e enfrentaram uma viagem de 14 horas para que estejam em Los Angeles exatamente neste dia. Em meio a todas estas histórias perambula Kelvin Moore (Jamie Foxx), um ambicioso repórter esportivo que foi designado por sua emissora de TV a cobrir o Dia dos Namorados.

Boom... Eu comecei a ver o filme para ver o Ashton Kutcher & o Taylor Lautner, mas no decorrer do mesmo percebi qê o Taylor aparece bem menos do qê eu esperava. Mas percebi qê o elenco desse filme é realmente bom, contando também com a atuação de Julia Roberts, Anne Hathaway, Jennifer Garner & Queen Latifah, qê adoro filmes com essas atrizes. HAHAHA'... Depois de toda essa análise sériia vem akê a minha opinião do filme. Maravilhosamente encantador, chorei {como sempre}, mas eu tava precisando de um filme melancólico ontem. Então deu pra pensar & sentir a emoção do momento. Recomendo! ;)


00:23

Gira Gira


Eu tinha treze anos, ele uns quinze. Não lembro o nome exatamente, mas me recordo que ele torcia para o Palmeiras e, quando tinha jogo, eu escutava seus berros desafinados. Ele tinha as sobrancelhas grossas e pulava na piscina gelada sem medo de levar bronca da mãe. A roupa dele tinha cheiro de amaciante e por alguma razão aquilo me trazia conforto. Um dia ele olhou bem no fundo dos meus olhos, apertou meu braço e disse que à noite eu teria uma surpresa. Eu esperei por ele a noite toda, de pé, espiando pela janela do meu quarto. Meu quarto ainda tinha bonecas e bichinhos de pelúcia, e todos eles tiveram pena do meu cansaço e da minha ingenuidade. No dia seguinte eu acordei sem hálito de criança e perdi pra sempre o doce da boca. Eu tive minha primeira azia com lactose no café da manhã e vomitei. Foi a última vez que vomitei na vida. Eu tinha dez anos, ele também. Nome era Felipe e ele se sentava duas carteiras à frente da minha. Ele jogava bola tão bem que podia faltar à aula para ir aos campeonatos da escola. Um dia ele escreveu "Te amo, quer namorar comigo?" num bilhete e entregou para mim. Eu lembro que li e tive uma tontura tão grande que achei que fosse morrer antes da prova de matemática (e fiquei feliz, porque não tinha estudado). Quando fechei o bilhete, vi que estava escrito "Melissa". Ele havia dado o bilhete apenas para eu entregar para a menina que sentava atrás de mim. Eu senti tanta vergonha, tanta vergonha, tanta vergonha, que pedi à professora para ir ao banheiro. Quando cheguei no banheiro, fiz várias caretas para o espelho. Até hoje não sei por que exatamente. Talvez quisesse ficar tão feia quanto estava me sentindo. A calça da escola me deixava horrível e eu amarrava o moletom na cintura. A Melissa não precisava disso, ela ficava linda naquela calça, era bailarina. Apertei tão forte aquele moletom na minha barriga que as marcas do elástico ficaram por quatro dias desenhadas na minha cintura. Eu tinha 5 anos, ele 6. Ele se chamava Thiago e tinha um irmão chamado Pablo. Ele corria tanto com o gira-gira que eu achava que meu coração fosse pular pela boca. Ele colocava a mão sobre a minha quando eu fazia que ia sair do gira-gira, e apertava a minha mão. Eu sempre fazia que ia sair só para ele colocar a mão sobre a minha. Um dia eu simplesmente o agarrei e dei um beijo de língua nele. A professora chamou minha mãe na escola para contar e minha mãe, puxando de leve a minha maria-chiquinha, perguntou à professora quem era o Thiago. "É aquele ali na aula de ginástica." Quando olhamos, ele estava todo sujo e com o nariz escorrendo. Eu ouvi da minha família toda, até poucos anos atrás, que eu gostava de "ranhentos". Um dia ele me trocou pela Dani, uma garotinha de sardas que tinha irmãos e não usava botinhas ortopédicas. Eu lembro até hoje de ter perguntado à minha mãe se sardas eram doença. Torcendo muito para serem. Hoje tenho 25 e eles têm idades, nomes e manias variadas. E por mais que eu olhe para o meu escarpin, ainda vejo aquelas botas grosseiras numa canelinha fina. As Danis com sardas e Melissas bailarinas ainda existem, e elas continuam tendo a família mais descolada do mundo e ficando lindas em calças de moletom. Por mais que meu corpo durma, minha alma continua na janela esperando você aparecer, ingênua e cansada. Eu continuo acordando todos os dias com saudade do doce e com medo do azedo. Eu continuo fazendo caretas e sou a única que não vejo muita graça nelas. O gira-gira não pára nunca, meu coração continua acelerado e continuo fazendo que vou pular fora para você me socorrer. Para você segurar bem firme na minha mão e me fazer ter coragem de arriscar o vento na cara e o mundo muito rápido. Coragem para o mundo que dá tantas voltas. Eu ainda espero chegar a minha vez de receber o bilhete "Te amo. Quer namorar comigo?" Apesar do moletom na cintura e das marcas causadas por ele e por todo o resto.


23:37

Nunca


E nunca ninguém me odiou ao ponto de me matar, mas eu me sinto morta todas as vezes que alguém deixa de me amar.


23:22

Lembre-se


Homens, lembre-se:
Quando você gritar com sua mulher, há um outro homem que a deseja para sussurrar baixinho em seu ouvido;
Enquanto você a humilha, ofende e insulta, há um homem lembrando-lhe o quão maravilhosa ela é;
Enquanto você a machuca, há um homem pensando que poderia fazer amor com ela;
Enquanto você a faz chorar, há um homem roubando sorriso dela...

13:19

Coragem


Ela havia ido pra escola, disposta a falar tudo o qê tinha contido até ali. Aquilo estava preso a tanto tempo &, de uma forma ou de outra, precisava sair. Ela esperou ansiosamente qê ele chegasse. Ele sempre chegava tarde, sabe. Assim qê ela o viu, ela sentiu uma vontade enorme de correr até ele & falar tudo o qê tinha pra dizer, mas achou melhor esperar a hora certa. Ao decorrer do diia, em algum momento, estavam todos conversando, & ela tentou entrar na conversa. Falou alguma coisa com ele, coisa boba, mas ele simplesmente a ignorou. (...) Ela o olhou nos olhos, exatamente naqueles olhoscalavam todas as suas palavras, mas sabiia qê aquela era a hora de falar. Não tinha mais medo. Então ela disse que precisava conversar com ele & ele respondeu qê não queria mais conversar. Ela disse qê não precisava qê ele quisesse nada, ela iria falar da mesma forma. Ele naum achava qê ela o pudesse obrigar a escutar, então virou-se para sair. E ela disse qê se ele saísse, ela gritaria. Ele odiava os escândalos qê ela fazia, & depois dessa, ele não queriia mesmo escutar qualquer coiisa qê ela tivesse a dizer. Então ele deu o primeiro passo, o segundo, o terceiro... E ela o ficou olhando ir embora. Assim qê ele saiu do alcance dos olhos dela, ela gritou: EU TE AMO & NÃO IMPORTA QÊ VCÊ ME ODEIE AGORA. EU AINDA VOU AMAR VCÊ. Ele nunca tinha escutado ela dizer o qê sentia. Na verdade, ele nem sabiia se ela o amava mesmo. Ela era um desses tipos de garota difícil, qê não dá bola pra ninguém & não se abre pra ninguém. Então, ele achou qê ela realmente estava falando a verdade, ou naum deixaria qê os outros acreditassem em uma mentira. Ele ficou paralisado por uns 10 segundos. Tentando processar tudo aquilo qê agora estava claro pra ele. E ela, lá dentro, achou qê ele tinha ido embora, qê não tinha se importado com o qê acabara de ouvir. Qndo ele apareceu na porta & veio andando em sua direção. Ela ficou nervosa, a mão estava gelada & o coração pulsava muito forte. Ela naum tinha pensado no qê aconteceria depois qê ela expressasse os seus sentimentos. Então, ela só o olhava fixamente, enquanto ele chegava mais perto. Ele parou em sua frente, olhou em seus olhos, aqueles olhos qê transpareciam agora tanta sinceridade. E disse: Vcê realmente me ama!? Uma lágrima correu aos olhos dela & ela simplesmente fez sinal de sim com a cabeça. Ela achava qê devia dizer alguma coisa, mas o choro estava a impedindo de dizer qualquer coisa. Então ele simplesmente estendeu a mão para ela. E ela, sem saber de nada, segurou aquela mão qê agora estava ali, esperando por ela. Pela primeira vez, eles estavam ali, abertos, puros de coração. Sinceros. Eles se olhavam qndo ele disse a ela: Eu sabia qê meu coração tinha feito a escolha certa! Então, ele a puxou & lhe deu um beijo. E aquele beijo era o primeiro de muitos, mas o qê eles jamais esqueceriam.

E se eu tivesse tido coragem!? Será qê teria dado certo!?

Pequenos Contos (2)

18:41

Página do Facebook


Gente, fiz uma página para o blog no Facebook, onde posto todas as atualizações, posts & novidades qê tem akê. Se vcê costuma entrar akê, ou deseja compartilhar algum texto ou mensagem, é só clicar aqui & curtir a página. :)

Bgs. ;*

00:21

Esperando Eriick


00:20

De Bobeira na Cam


23:55

Tudo Bem


Você diz "tudo bem" pra pessoa que está do outro lado da tela, torcendo para que ninguém te veja chorar. :'/

23:25

A Primeira Vez


Você sempre me disse que sua maior mágoa era eu nunca ter escrito um texto sobre você. Nem que fosse te xingando, te expondo. Qualquer coisa.
Você sempre foi o único homem que me amou. E eu nunca te escrevi nem uma frase num papelzinho amassado.
Você sempre foi o único amigo que entendeu essa minha vontade de abraçar o mundo quando chega a madrugada. E o único que sempre entendeu também, depois, eu dormir meio chorando porque é impossível abraçar sequer alguém, o que dirá o mundo.
Outro dia eu encontrei um diário meu, de 99, e lá estava escrito "Hoje eu larguei meu namorado sentado e dancei com ele no baile de formatura". Ele, no caso, é você. Dei risada e lembrei que em todos esses anos, mesmo eu nunca tendo escrito nenhum texto para você, eu por diversas vezes larguei vários namorados meus, sentados, e dancei com você. Porque você é meu melhor companheiro de dança, mesmo sendo tímido e desajeitado.
Depois encontrei uma foto em que você está com um daqueles óculos escuros espelhados de maconheiro. E eu de calça colorida daquelas "bailarina". E nessa época você não gostava de mim porque eu era a bobinha da classe. Mas eu gostava de você porque você tinha pinta e eu achava isso super sexy. E eu me achei ridícula na foto, mas senti uma coisa linda por dentro do peito.
Aí lembrei que alguns anos depois, quando eu já não era mais a bobinha da classe, e sim, uma estagiária metida a esperta que só namorava figurões (uns babacas na verdade), você viu algum charme nisso e me roubou um beijo. Fingindo que ia desmaiar. Foi ridículo. Mas foi menos ridículo do que aquela vez, ainda na faculdade, que eu invadi seu carro e te agarrei a força. Você saiu cantando pneu e ficou quase dois anos sem falar comigo.
Eu não sei porque exatamente você não mereceu um texto meu, quando me deu meu primeiro cd do Vinícius de Morais. Ou quando me deu aquele com historinhas de crianças para eu dormir feliz. Ou mesmo quando, já de saco cheio de eu ficar com você e com mais metade da cidade, você me deu aquele cartão postal da Amazônia com um tigre enrabando uma onça.
Também não sei porque eu não escrevi um texto quando você apareceu naquela festa brega, me viu dançando no canto da mesa, e me disse a frase mais linda que eu já ouvi na minha vida "eu sei que você não gosta de mim, mas deixa eu te olhar mesmo assim".
Talvez eu devesse ter escrito um texto para você, quando eu te pedi a única coisa que não se pede a alguém que ama a gente "me faz companhia enquanto meu namorado está viajando?". E você fez. E você me olhava de canto de olho, se perguntando porque raios fazia isso com você mesmo.
Talvez porque mesmo sabendo que eu não amava você, você continuava querendo apenas me olhar. E eu me nutria disso. Me aproveitava. Sugava seu amor para sobreviver um pouco em meio a falta de amor que eu recebia de todas as outras pessoas que diziam estar comigo.
Depois você começou a namorar uma menina e deixou, finalmente, de gostar de mim. E eu podia ter escrito um texto para você. Claro que eu senti ciúmes e senti uma falta absurda de você. Mas ainda assim, eu deixei passar em branco. Nenhuma linha sequer sobre isso.
Depois eu também podia ter escrito sobre aquele dia que você me xingou até desopilar todos os cantos do seu fígado. Eu fiquei numa tristeza sem fim. Depois pensei que a gente só odeia quem a gente ama. E fiquei feliz. Pode me xingar quanto você quiser desde que isso signifique que você ainda gosta um pouquinho de mim.
Minhas piadas, meu jeito de falar, até meu jeito de dançar ou de andar. Tudo é você. Minha personalidade é você. Quando eu berro Strokes no carro ou quando eu faço uma amiga feliz com alguma ironia barata. Tudo é você.
Quando eu coloco um brinco pequeno ao invés de um grande. Ou quando eu fico em casa feliz com as minhas coisinhas. Tudo é você. Eu sou mais você do que fui qualquer homem que passou pela minha vida. E eu sempre amei infinitamente mais a sua companhia do que qualquer companhia do mundo, mesmo eu nunca tendo demonstrado isso. E, ainda assim, nunca, nunquinha, eu escrevi sequer uma palavra sobre você.
Até hoje. Até essa manhã. Em que você, pela primeira vez, foi embora sem sentir nenhuma pena nisso. Foi a primeira vez, em todos esse 'tempo', que você simplesmente foi embora. Como se eu fosse só mais uma coisa da sua vida cheia de coisas que não são ela. E que você usa para não sentir dor ou saudade. Foi a primeira vez que você deixou eu te olhar, mesmo você não gostando de mim.
E foi por isso, porque você deixou de ser o menino que me amava e passou a ser só mais um que me usa, que você, assim como todos os outros, mereceu um texto meu.


01:00

Esmalte


Jujuba + Bailarina ~ Avon

23:54

Me Faz Bem ~ Paulo Mac


É tudo tão rápido entre nós
Quando eu vejo já passou
Eu sinto saudade da tua voz
Do teu perfume, teu calor

Às vezes me pergunto se eu estou pronto
Pra dizer tudo que eu sinto por você,
Mas a tua presença ainda me deixa tonto
Sem saber o que dizer

Eu vivo vendo as horas pra te ter, não sei
Só sei viver a vida com você assim
Efeito de alegria tudo ao teu redor
Pra te fazer feliz e me fazer também

Me faz bem
Me faz bem te ter
Me faz bem
Bem ter você
Aqui do meu lado
Rindo de tudo que vê

É tão bom
Poder te tocar
É tão bom
Poder te sentir
Em um abraço apertado
Você já faz parte de mim



Você já faz parte de mim



Se por acaso acontecer de eu não te ver
Do meu tempo parar, cadê você?
Conto os ponteiros no relógio, nada aconteceu
Começo a imaginar se foi erro meu

De não ter ficado um pouco mais
De não ter segurado em suas mãos
Sentimento que o tempo não desfaz
Resumindo a nossa historia em uma canção

Eu vivo vendo as horas pra te ter, não sei
Só sei viver a vida com você assim
Efeito de alegria tudo ao teu redor
Pra te fazer feliz e me fazer também

Me faz bem
Me faz bem te ter
Me faz bem
Bem ter você
Aqui do meu lado
Rindo de tudo que vê

É tão bom
Poder te tocar
É tão bom
Poder te sentir
Em um abraço apertado
Você já faz parte de mim

Me faz bem
Me faz bem te ter
Me faz bem
Bem ter você
Aqui do meu lado
Rindo de tudo que vê

É tão bom
Poder te tocar
É tão bom
Poder te sentir
Em um abraço apertado
Você já faz parte de mim

Me faz bem
Me faz bem te ter
Me faz bem
Bem ter você
Aqui do meu lado
Rindo de tudo que vê

É tão bom
Poder te tocar
É tão bom
Poder te sentir
Em um abraço apertado
Você já faz parte de mim



Você já faz parte de mim

Me Faz Bem ~ Paulo Mac


04:29

Anjos da Noite - O Despertar

• Título Original: Underworld: Awakening
• Lançamento: 02 de março de 2012
• Dirigido por: Måns Mårlind, Björn Stein
• Atores: Kate Beckinsale, Stephen Rea, Michael Ealy, Theo James...
• Gênero: Ação, Fantasia, Terror
• Nacionalidade: EUA

A vampira Selene (Kate Beckinsale) acorda após ser mantida em estado de coma durante doze anos, e descobre que tem uma filha, chamada Nissa (India Eisley), fruto da união com Michael (Scott Speedman). A garota é uma perigosa mistura das duas raças. Quando encontra sua filha, precisa defende-la de um grupo assassino de lobisomens modificados criados pela BioCom.

Nussa! Adorei o filme. O melhor de toda a saga, & ainda, assistir em 3D é muito mais emocionante. Só não gostei muito do Michael não ter aparecido no filme, mas mesmo assim é muito bom. Ação do começo ao fim. õ/


04:28

Cine 3D


Quem tanto amo. (♥')