00:38

Tarde


Você tinha razão. É isso, você venceu. Eu sempre estou errada. Sempre. Eu me lembro de quando a gente brigava e você pedia baixinho para eu te perdoar só mais uma vez e eu queria gritar para os quatro cantos do mundo de como eu não importava porcaria nenhuma com as tuas desculpas e do quanto eu achava tudo isso ridículo. Eu queria te dizer que a gente nunca iria pra frente, porque, acima de tudo, eu era egoísta e egocêntrica demais para me permitir te querer tanto quando você me queria. E sabe o pior disso tudo? É que eu ignorava toda a minha confusão interna para te garantir que estava tudo bem. Só que não estava, droga. Não estava nada bem. Eu não estava feliz com você e você não estava comigo, mas ainda assim a gente prolongava. Por medo, não sei, não faço a mínima ideia para ser sincera. A diferença é que você me amou enquanto estávamos juntos e eu te amo agora, quando o eco impera entre nós dois; quando o vazio tomou conta de tudo o que algum dia já tivemos. Só que agora... Sou eu que te peço desculpas. Por todas as vezes em que o meu silêncio te incomodou, pela falta de argumentos e de palavras que poderiam mudar alguma coisa entre nós. Desculpa por quando eu deixei de sair com você pra ficar em casa no telefone com minha melhor amiga, e de quando eu te acusei de não entender o meu lado quando era justamente o oposto. Me desculpe por nunca ter corrido atrás, te procurado, te ligado. Mas acima de tudo, me perdoe por só te deixar saber disso agora. Eu não podia ter te deixado ir embora, não podia. Tá vendo? Eu sempre erro. E você só foi mais um dos meus erros. Mas o mais triste disso tudo, sequer é pelo fato de que a gente se perdeu pra sempre, tampouco que eu fui a otária que precisou te perder pra perceber que você sempre foi importante pra mim. O mais triste e humilhante é lembrar do dia em que você me agrediu com tuas palavras estampando a tua indignação com as minhas inseguranças e meus medos, com toda a minha falta de compaixão perante o próximo, e quando você me garantiu que seria tarde demais quando eu me arrependesse. E você tinha razão. Foi tarde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário