21:18

Fila do Cinema


Eu sempre tive total conhecimento sobre todas as minhas falhas - gigantescas, por sinal. Sempre tive adepta a aderir tuas opiniões, e nunca deixei de procurar entender o teu lado; preste atenção nisso, porque quero que você nunca mais se esqueça. Eu quis muito que desse certo, eu lutei muito pela gente, mas naquela época eu não sabia o que eu tinha. Eu não sabia que a gente se tornaria saudade e que a mesma doeria tanto. Eu não tinha noção do quanto você preenchia os meus dias e de como eles se tornariam vazios sem você. E, por favor, não tente justificar nosso fim através dos meus erros. Eu odeio quando você foge para não admitir a tua parcela de culpa. Quando você luta para não ter de acarretar com as consequências. Você me deixou escapar. E eu juro, quis muito ficar. Eu quis muito que você me fizesse permanecer. Mas você fugiu, você sempre foge. De tudo, de mim também. E não há mais nada que possamos fazer pra reverter a situação. A gente se perdeu por nunca sequer termos tentado nos achar. E agora você está na fila desse cinema estúpido com essa garota idiota, me olhando como quem diz baixinho que sente saudade. Sim, eu sei, eu também sinto. E você aperta a mão dela quando eu sei que queria estar apertando a minha, e, tudo bem, eu te entendo, eu também gostaria de estar no lugar dela. A gente quase deu certo, e ao contrário do que dizem, era sim, pra ser. Era pra gente ir pra frente. Se eu tivesse permanecido e você tido um pouco mais de insistência poderíamos ser dois sorridentes na fila do cinema agora. Só, por favor, não esqueça de que naquele tempo eu realmente não sabia o que tinha nas mãos. Juro, que se soubesse, teria ficado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário