16:12

Sangrar


Eu não desejo nenhuma resposta, nenhuma explicação. Mas eu tenho a necessidade de te dizer qê ninguém nunca me magoou tanto qto vcê. Ninguém doeu tanto, tanto, qto vcê. Acho qê talvez seja prqê nunca esperei isso de vcê. Sei qê ninguém é obrigado a me retribuir na mesma intensidade, mas não pensei qê isso me machucaria tanto. Logo a miim qê sou acostumada a perder, qê sou acostumada com todo mundo indo embora cedo ou tarde. Logo a miim qê sou acostumada a criar nós tão forte & depois tê-los qê desfazer aos poucos. Sempre foi assim, sempre quem eu amava ia embora & eu sempre tava preparada pra isso acontecer um diia, mesmo qê eu tardasse, eu sempre soube qê tudo isso um diia ia acontecer. Mas eu nem sou tão pessimista, eu sempre aproveitava o máximo qê eu podia, eu sempre fazia o máximo qê eu podia. E mesmo parecendo tão forte, não sou metade da muralha qê demonstro ser. Eu só aprendi com a vida qê qto menos vcê demonstra as suas fraquezas, mais fica difícil para as pessoas saberem onde atingirem. Mas é sempre no mesmo lugar, na mesma ferida, é sempre qndo tá cicatrizando qê vem alguém de novo & refaz o corte & deixa o sangue jorrar. Mas é assim sempre, & eu sempre levanto de novo, pronta pra próxima apunhalada. Eu vou cair, eu vou sangrar, mas eu vou me levantar de novo, & de novo, & de novo. E mais uma vez. E eu estou akê agora, em pé, esperando a próxima vez. Mas não prometo qê não vai sangrar, não prometo qê não vai doer. Não prometo qê não vai juntar tudo qê passou & qê não vai doer como nunca doeu antes.

Para BE

Nenhum comentário:

Postar um comentário