03:49

Lutar


Eu queria tanto poder lutar por você, tanto que você não tem a mínima ideia de como isso dói em cada minúscula parte das minhas artérias.
O quanto isso dói nas minhas veias porque era lá que eu te amava.
Eu te amava em todos os pequenos fios do meu corpo que não dá pra ver a olho nu.
Eu não posso lutar por você e a parte mais irônica disso é que é por sua causa.
Porque você não me dá aberturas e eu não posso ficar procurando rachaduras pra me tentar me encolher e entrar.
Eu queria sua permissão, eu queria que você, nem que só ficasse parado, mas me dissesse que eu posso dar um passo.
E eu daria.
E daria.
E daria.
Cheguei a pensar que morreria sozinha se você não ficasse comigo.
Cheguei a estar tão desesperada por amor por um motivo que eu achava certo, mas no final, era só uma coisa borrada e confusa.
Mas eu vim te contar o que eu demorei pra entender, e que eu espero que você entenda.
Eu tô viva,
o desespero passou,
eu não aperto mais onde dói.
Eu não fico mais me torturando com o fato de que, talvez, você realmente tenha ido pra valer.

Só que as vezes eu enxergo as coisas com aqueles olhos de novo,
os olhos que só tinham olhos pra você.
E é nessas vezes que eu queria poder lutar
, nessas vezes que eu sinto falta das suas tatuagens,
do seu jeito de andar,
de falar,
de respirar apressado como se o oxigênio fosse acabar em segundos.
Quando toca algumas músicas no aleatório do Spotify, eu sempre corro pra olhar alguma foto sua que sobrou aqui
me dá um conforto gigante sentir que um dia eu quase morri de amor, você foi capaz de me dar esse presente de sentir e eu vou sempre ser grata.
Você foi tudo o que eu quis,
precisava,
amava.
E quando você foi,
eu fui.
Eu não voltei,
mas algumas coisas ficaram
e eu fiquei também.

Se eu pudesse,
lutava por você.
Mas eu já não tenho mais soldados
nem uma guerra.

- Clichês da Cissa

Nenhum comentário:

Postar um comentário