20:37

Noite


Se quer a noite, eu guardo, mas se quer matar saudade, chegou tarde. Saudade some no meio do outono, no meio de um filme ruim, no meio de um novo amor e às vezes até no fim. Se quer a noite, ainda tenho e guardo, mas a saudade eu não tenho mais, ela foi embora junto com os pensamentos vagos, junto com as cartas amassadas e as cervejas certas que bebi em dias errados. Sobrou a noite, que vem todo dia, assim como a saudade fazia, antes de ir embora sem dizer nada, sem coragem de me olhar nos olhos e pedir desculpas, deixando se quer um aviso para que eu pudesse marcar no calendário a data desse momento tão especial. Me restou a noite, que te entrego embrulhada em estrelas, acompanhada de uma pequena poesia, que escrevi numa época que a noite era nossa, e a saudade só minha:

quando eu te esquecer
vou comemorar
sem saber o por quê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário