20:46

Licença


Eu tentei te deletar
primeiro apagando suas fotos
depois o seu número de telefone
junto com todas as conversas
bobas, românticas, despretensiosas
desesperadas
que um dia tivemos.

Troquei os caminhos
desviei dos lugares onde um dia nossas almas se uniram
e sentiram uma felicidade que a gente experimentava pela primeira vez.

Esqueci de muitos dos amigos
que só conseguiam perguntar sobre você
e, com o desespero por detalhes e explicações
me faziam sofrer mais.

Fiz de tudo pra não lembrar do gosto da sua boca
do macio dos seus olhos
do conforto do seu toque
gentil e paciente,
mas sempre quente.

Criei novos hábitos, me desfiz de memórias que me destruíam
e criei outras.

Eu quis fugir de você pra me achar em mim,
mas, depois de muito tempo, entendi
que não possui construir um futuro
renegando o que fomos
muito menos o que sou
desde que você deixou suas marcas por aqui.

Eu aceito e agradeço pela sua presença
e confesso que, de alguma forma, você é parte de mim
e você me iluminou como se mil estrelas dançassem pelo meu estômago
e ainda sinto toda essa luz.

Mas agora, me dê licença
é sozinha que preciso aprender a brilhar
agora e sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário