04:29

Asas


Perdeu as asas um pouco antes das dez da noite, isso ela já esperava, só não esperava que viesse por mensagem, fechou os olhos e deixou a preocupação para depois. Na manhã seguinte ela só queria um banho quente, daqueles que a gente entra aos poucos, e quando entra, não quer sair nunca mais. Sua amiga, Rita, esperava que ela viesse aos prantos e estranhou a normalidade do "Oi", "Não tá triste? Não sente falta das asas?". Ela sabia que a pergunta viria, "Sinto, mas também sentia falta de colocar os pés no chão, como é bom". Rita ficou decepcionada, estava preparadíssima para consolar a amiga, "Que legal que está bem, mas te conheço, você vai morrer de saudade". Ela respirou fundo e respondeu como se respondesse pro mundo todo, "Saudade é o amor buscando perfeição, e ele chora quando não encontra. Se o amor é perfeito, eu sou outra coisa, cheia de defeitinhos, que quer alguém que olhe nos olhos, mesmo que seja pra dizer adeus. Tá tudo bem, sério.", e ela seguiu, com asas ainda maiores do que aquelas que havia perdido na noite anterior. Dizem que a gente renasce no fim, mas eu desconfio que seja no meio de um banho quente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário