20:16

Esquecer


Não dá para esquecer. E você também sabe muito bem disso. Não dá para ignorar o vazio enorme que você deixou em mim. É impossível seguir em frente, mesmo com esse silêncio ensurdecedor entre nós deixando claro de que chegou o fim. Eu sinto muita falta da gente. Sei que é tarde pra te informar, que meu orgulho me impediu de correr atrás, que teu amor-próprio te sucumbiu, mas veja só, eu tenho saudade. Do que nós éramos. Do que nós deixamos pra trás. Do que nós tínhamos. Independente do quanto o tempo tenha passado. Em qualquer lugar eu vejo você; em qualquer canto eu te encontro, sinto o teu cheiro, ouço tua voz. Mesmo quando teu rastro está a horas de distância do meu. Parte minha está presa a você, amarrada, acorrentada. E, meu Deus, simplesmente, não consigo me desprender. Todos os caras do mundo levam um pouco de você, ou sou eu tentando te encontrar em outros olhares, outros gostos, gestos, sorrisos, toques; não sei. Sinceramente, eu não sei. A única coisa que eu tenho certeza, é que está sendo horrível. Apavorante. Você sabe, esse lance de ficar sem você. De ter que andar mesmo quando a minha vontade é de empacar, estacionar e te esperar voltar. Eu sei que errei, que te magoei, que minhas linhas tortas te confundiram por inteiro; mas eu nunca, jamais esperei que a decisão de partir sairia de você. Mesmo com nossas brigas semanais, com a infantilidade de ambas as partes, com o orgulho nos locomovendo, mesmo assim... Eu jurava que iríamos ser para sempre. Que meus defeitos te completavam e que tuas birras me abasteciam. Eu tinha plena convicção de que, não importando o que poderia acontecer você ficaria ao meu lado. Mas sabe o que é? Isso tudo é estúpido demais. Errado demais. Dolorido demais. Você está aí, perto o suficiente de mim para travarmos uma conversa, mas ainda assim, você prefere o silêncio. E eu não vou te contrariar. As coisas nunca foram fáceis, e nós sempre as complicamos ainda mais. Não é para menos que viramos esse nada grotesco. Esse ponto de reticências infinitivo e exaustivo. Já era. Não dá mais, nem para mim, nem para você. E mesmo que esteja sendo difícil, nós não vamos abrir mão. Eu te conheço, e acima de tudo, me conheço. Teus dias podem estar sendo insuportáveis sem a minha mania de bagunçar com a tua rotina, mas você não vai me ligar. Você procura outras milhares de loiras, e mesmo sabendo que nenhuma delas poderá algum dia te fazer me esquecer, você não corre atrás. Você não dá sinal de vida, não manda algum e-mail, tampouco me adiciona no Facebook outra vez. Você aparenta ser o cara mais feliz do mundo, mesmo sabendo de que eu sei que meu nome está tatuado em teu peito independente de quantos anos passem. Você foi o idiota que acabou com a minha vida, e eu fui a teimosa que te embaralhei todinho. Mas, ainda assim, a gente se amou. A gente se ama. Vai entender...

Nenhum comentário:

Postar um comentário