23:14

Se Arrepende!?


Amigo: - Cara, você se arrepende de ter terminado com ela?
Ele: - Olha pra mim, você acha que eu me arrependi? Eu saía sexta e só voltava segunda de manhã pra trabalhar. Eu peguei a mãe, a filha, a prima, a tia e só não peguei a vó da vizinha, porque ela tinha hemorroida. Eu tinha cortesia pra entrar nas melhores baladas. Eu esnobei garotas que todos os homens queriam pegar. Transei de segunda à sábado, e domingo eu via futebol. Detalhe, sem ninguém me chamando pra ir ver a porra do casal feliz no Faustão ou sei lá o quê. Me mandavam mensagens o dia todo e se você perguntar se eu li alguma eu vou te dizer que não. Eu podia ver filme pornô, levar a guria que eu quisesse pra minha cama e depois chamar o táxi pra ela ir embora pra eu não precisar gastar gasolina, porque convenhamos, ta cara pra caralho. Eu era o que elas queriam de qualquer jeito. E eu, queria todas de qualquer jeito, mas só um pouquinho de cada uma. Chamava todas de 'bê', pra não errar o nome de nenhuma. E por que diabos elas achavam que isso era fofo? Eu ia pra academia às três da tarde e voltava às oito da noite. Tenho uma coleção de calcinha perdida na última gaveta da minha estante. Eu saía na rua com o som alto no carro e podia escolher a dedo, quero essa, depois essa e mais tarde essa. Na minha geladeira nunca tinha uma caixa de cerveja, eram no mínimo quatro. Eu não devia nada pra ninguém. A única guria que me cobrava alguma coisa, era minha mãe. Me cobrava minha cueca lavada e só. Não tinha que ir no cinema ver as comédias românticas e falar "Own amor, eu faria o mesmo por você". Não tinha que deixar de ir pra balada pra fazer um lanchinho em família. Não precisava me preocupar em horário e olhava pra quem eu queria na rua. Minha casa tinha festa toda quarta. Camisinha aqui tinha do Bob Esponja até das Três Espiãs Demais. E eu ainda dava de brinde um moranguinho pra cada garota. Meu trampo era sentado na frente do computador. Peguei a tua irmã, cara. A amiga dela. A Carolzinha, filha do prefeito da cidade. A Jú, filha do gerente do banco. Loira, morena, ruiva, que gostava de pagode, até que gostava de gospel. Eu tinha o mundo na minha mão. E você me pergunta se eu me arrependi? Me arrependi, caralho. Porque toda essa porra de vida perfeita nesses 4 meses que fiquei sem ela não teve valor nenhum depois que eu vi ela sorrindo de um jeito que nunca sorriu pra mim, pra um outro cara aí. Pra um vagabundo desgraçado que vai fazer ela feliz, porque eu, não fiz ela feliz e ainda mandei, a melhor coisa que eu tinha na vida, me esquecer. E sabe o pior? Ela me obedeceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário